Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ativistas de direitos homossexuais durante protesto em São Petersburgo, na Rússia. 02/11/2014 REUTERS/Alexander Demianchuk

(reuters_tickers)

Por Elizabeth Miles e Katya Golubkova

ESTRASBURGO/MOSCOU (Reuters) - A Corte Europeia de Direitos Humanos (CEDH) determinou nesta terça-feira que uma lei da Rússia que proíbe a promoção da homossexualidade viola regras de tratados europeus sobre a liberdade de expressão e discrimina os gays.

Três ativistas gays russos iniciaram uma ação contra a legislação federal de 2013, conhecida amplamente como lei anti-propaganda gay, depois de serem multados por portarem cartazes incentivando a aceitação da homossexualidade entre 2009 e 2012.

"O propósito mesmo das leis e a maneira como foram formuladas e aplicadas no caso dos requerentes foi discriminatória e, no geral, não serviu a nenhum interesse público legítimo", disse o tribunal sediado em Estrasburgo em um comunicado.

"De fato, ao adotar tais leis, as autoridades reforçaram o estigma e o preconceito e encorajaram a homofobia, que é incompatível com os valores de uma sociedade democrática".

Observadores de direitos humanos argumentam que a lei vem sendo usada amplamente para visar e intimidar a comunidade LGBT da Rússia. A Corte concordou, argumentando que sua terminologia vaga dá ampla margem a abusos.

A Rússia vem tendo um relacionamento tenso com a CEDH desde que esta anulou um caso decidido pela Corte Constitucional Russa em 2012. Em 2016, o tribunal europeu disse que a Rússia violou a Convenção Europeia de Direitos Humanos em todos, menos seis, de seus 228 julgamentos de casos russos.

A CEDH supervisiona a aplicação da Convenção nos 47 membros do Conselho da Europa, do qual a Rússia é membro.

O governo russo disse que irá apelar contra o veredicto do CEDH.        

"O Ministério da Justiça (russo) expressa sua discordância das conclusões da Corte Europeia", disse a pasta em um comunicado, afirmando que irá preparar uma apelação dentro de três meses.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters