Navigation

Covid-19 fez avanços globais de saúde recuarem décadas, diz Fundação Gates

Mulher volta para casa após receber vasilha de sopa durante a pandemia de Covid-19 em Villa Azul, nos arredores de Buenos Aires 29/07/2020 REUTERS/Agustin Marcarian reuters_tickers
Este conteúdo foi publicado em 15. setembro 2020 - 16:40

Por Kate Kelland

LONDRES (Reuters) - Os efeitos secundários da pandemia de coronavírus detiveram e reverteram os avanços globais de saúde, fazendo-os regredirem 25 anos e expondo milhões de pessoas ao risco de doenças mortais e da pobreza, alertou um relatório da Fundação Bill & Melinda Gates nesta terça-feira.

Por causa da Covid-19, a pobreza extrema aumentou 7%, e a cobertura de vacinas de rotina --uma boa medida indireta para avaliar como os sistemas de saúde estão funcionando-- está caindo para níveis vistos pela última vez nos anos 1990, segundo o relatório.

"É um revés enorme", disse Bill Gates, copresidente da entidade e filantropo e financiador destacado de saúde e desenvolvimento globais, em uma entrevista coletiva a respeito das conclusões do documento.

O relatório, que monitora o progresso dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas (ODS) de reduzir a pobreza e melhorar a saúde, descobriu que no último ano o mundo regrediu em quase todos os indicadores.

Além da queda no índice de imunizações de rotina, que o relatório disse ter "feito o mundo regredir cerca de 25 anos em 25 semanas", os níveis ascendentes de pobreza e o dano econômico da pandemia estão reforçando as desigualdades.

O relatório revelou que a pandemia tem um impacto desproporcional em mulheres, comunidades de minoria racial e étnica e em pessoas que vivem na pobreza extrema.

"Depois de 20 anos consecutivos de declínio da pobreza extrema, agora vemos uma reversão", disse Mark Suzman, executivo-chefe da Fundação Gates, em uma entrevista à Reuters. "Vimos quase 40 milhões de pessoas serem arrastadas de volta à pobreza extrema. Isso é bem mais de 1 milhão por semana desde a chegada do vírus".

O documento citou projeções do Fundo Monetário Internacional (FMI) segundo as quais, apesar dos 18 trilhões de dólares já gastos para se tentar estimular economias de todo o mundo, a economia global perderá 12 trilhões de dólares ou mais até o final de 2021 --a maior perda de PIB mundial desde o final da Segunda Guerra Mundial.

Embora o cenário seja "desolador" no momento, Gates disse estar confiante de que o mundo emergirá da pandemia e retomará o progresso rumo às metas de melhoria da saúde global.

"Que nos tome dois anos, ou mesmo três, realmente acreditamos que superaremos isto e voltaremos aos trilhos", disse.

((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447759)) REUTERS ES

Partilhar este artigo

Participe da discussão

Com uma conta SWI, você pode contribuir com comentários em nosso site.

Faça o login ou registre-se aqui.