Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

DOUALA, Camarões (Reuters) - Duas crianças carregando explosivos se explodiram nesta sexta-feira perto de um campo do norte da República dos Camarões que abriga civis em fuga dos militantes nigerianos do Boko Haram, matando nove pessoas e ferindo 30, disseram autoridades.

Elas entraram na cidade de Kolofata, a cerca de 10 quilômetros da fronteira com a Nigéria, antes do amanhecer se passando por refugiadas em busca de alimento antes do início do jejum diurno do mês muçulmano sagrado do Ramadã.

"Dois adolescentes suicidas de idades entre 10 e 15 anos se infiltraram na cidade de Kolofata", disse o ministro das Comunicações, Issa Tchiroma Bakary, à rádio estatal, acrescentando que ambos detonaram seus explosivos.

"O saldo de mortes é 11, incluindo os dois suicidas, e 30 feridos, dos quais 10 estão seriamente feridos", acrescentou.

Uma autoridade do governo local disse que os 10 seriamente feridos foram transportados para um hospital de uma cidade próxima.

"Foi insuportável. As pessoas gritavam. Outras gemiam. Foi um horror total", disse um policial presente à cena do ataque.

Nos últimos anos o norte de Camarões vem sofrendo com o transbordamento da violência ligada aos insurgentes islâmicos do Boko Haram. Refugiados da Nigéria vêm procurando a fronteira em grande número, e moradores locais estão sendo obrigados a abandonar seus lares.

O Boko Haram realiza operações frequentes na fronteira na tentativa de estabelecer um califado islâmico. Sua insurgência de oito anos já matou mais de 20 mil pessoas na região do lago Chade e, de acordo com as cifras mais recentes do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), deslocou 2,7 milhões de pessoas.

(Por Josiane Kouagheu)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters