Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Familiares de vítimas do bombardeio de uma igreja em Tanta, no Egito. 09/04/2017 REUTERS/Mohamed Abd El Ghany

(reuters_tickers)

Por Amina Ismail

TANTA, Egito (Reuters) - Cristãos do Egito choraram e demonstraram indignação nesta segunda-feira enquanto retiravam os corpos de familiares e amigos mortos em duas explosões de bombas em igrejas, expressando revolta contra um Estado que não acreditam mais que irá protegê-los de vizinhos determinados a exterminá-los.

Foram 44 mortos nos ataques ocorridos durante o Domingo de Ramos, ocasião festiva que antecede em uma semana o Domingo de Páscoa, quando os cristãos comemoram a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém.

No necrotério do hospital da Universidade de Tanta, famílias desesperadas tentavam entrar para procurar seus parentes mortos. Forças de segurança contiveram os familiares para evitar a superlotação, enfurecendo a multidão.

"Por que vocês estão nos impedindo de entrar agora? Onde vocês estavam quando tudo isso aconteceu?", gritou uma mulher que buscava um familiar. Algumas pessoas pareciam em estado de choque. Outras choravam abertamente e algumas mulheres estavam em prantos.

Um homem de meia-idade que acabava de sair do necrotério depois de ver seu irmão morto chorava com o rosto entre as mãos. Ele xingou as forças de segurança, aos gritos, enquanto a família tentava acalmá-lo.

Horas depois do ataque, Kerols Paheg e outros jovens cristãos coptas já estavam cavando túmulos no subsolo da devastada igreja de São Jorge da cidade do norte do Delta do Nilo, onde a primeira das bombas explodiu, matando 27 pessoas e ferindo cerca de 80.

Ele mostrou fotos da barbárie em seu celular: restos humanos, sangue e vidro estilhaçado espalhados pelo chão da igreja em um dos dias mais sagrados do calendário cristão. "Hoje deveria ser um dia de festividades", disse.

De agora em diante, os próprios cristãos terão que proteger suas igrejas, ao invés de contar com a polícia, "porque o que está acontecendo é demais. É inaceitável", disse.

Horas depois da detonação em Tanta, a segunda bomba explodiu na entrada da igreja de São Marcos, em Alexandria, a sede histórica do papa copta, matando 17 pessoas, entre eles três policiais, e deixando 48 feridos.

Os coptas representam cerca de 10 por cento dos 92 milhões de habitantes do Egito, a maior minoria cristã do Oriente Médio. Mas apesar de uma presença que data dos tempos romanos, a comunidade se sente cada vez mais rejeitada e já foi alvo de vários ataques, inclusive do Estado Islâmico, que assumiu a autoria das explosões de domingo e alertou para mais ataques.

(Reportagem adicional de Arwa Gaballa)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters