Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

WASHINGTON (Reuters) - Cientistas que participaram da missão que lançou duas sondas em uma cratera na Lua disseram nesta sexta-feira terem encontrado água nas áreas atingidas, como esperavam.
A fumaça criada pelo Satélite Sensor e de Observação de Cratera Lunar da Nasa (LCROSS, na sigla em inglês) continha pelo menos alguma água. Cientistas trabalham agora para descobrir mais sobre isto.
"Estamos destravando mistérios de nosso vizinho mais próximo e, por extensão, do sistema solar", disse em comunicado Michael Wargo, cientista-chefe lunar da Nasa.
Água já foi encontrada na Lua, mas cientistas da Nasa esperavam descobrir depósitos significativos nas regiões das crateras permanentemente sombreadas -- neste caso, uma cratera chamada Cabeus.
Se a água for de bilhões de anos atrás, pode conter informações sobre a formação do sistema solar. E se for encontrada em mais locais, pode ser usada para abastecer viajantes espaciais ou como combustível para missões espaciais.
Os pesquisadores usaram um espectrógrafo para analisar a luz radiada pela fumaça de poeira. Este instrumento pode indicar quais elementos foram encontrados em qualquer material e os seus efeitos sob a onda de luz.
"Estamos em êxtase", disse Anthony Colaprete do Centro de Pesquisa Ames da Nasa na Califórnia.
"A concentração e distribuição de água e outras substâncias exigem análises mais profundas, mas é seguro dizer que a Cabeus tem água".

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters