Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

AMSTERDÃ (Reuters) - A KLM Royal Dutch Airlines, unidade da Air France, tornou-se na segunda-feira a primeira companhia aérea a promover um voo comercial movido em parte por bioquerosene.
Durante o voo de uma hora e meia sobre a Holanda, um dos motores do Boeing 747 foi abastecido com uma mistura de 50 por cento de biocombustível sustentável e 50 por cento de querosene tradicional. Os outros três motores foram alimentados por querosene normal.
O executivo-chefe da KLM, Peter Hartman, disse que o biocombustível usado no voo reduz as emissões de CO2 em até 80 por cento, em comparação com o querosene convencional.
"Esperamos receber a certificação até o final de 2010. Depois disso, a questão será a rapidez com que o biocombustível será produzido", disse.
Os aviões são responsáveis atualmente por 2 a 4 por cento das emissões globais de dióxido de carbono (CO2) no mundo. Especialistas dizem que as emissões globais da aviação podem chegar a 2,4 bilhões de toneladas em 2050, o que representaria entre 15 e 20 por cento de todas as emissões de CO2 permitidas sob um acordo global e um aumento de quase quatro vezes em relação aos níveis atuais.
Na segunda-feira, a KLM, North Sea Petroleum e Spring Associates fundaram o consórcio SkyEnergy, que tem por objetivo garantir um suprimento suficiente de biocombustível para aviões.
"Já demonstramos que é possível. Agora governos, indústria e a sociedade precisam se unir para garantir o acesso rápido a um suprimento contínuo de biocombustível", disse Hartman.
(Reportagem de Harro ten Wolde e Sverbor Kranjc)

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters