Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

NOVA YORK (Reuters) - Iraquianos que alegam que suas vidas estão em risco por terem colaborado com o governo norte-americano no Iraque temem que suas chances de encontrar asilo nos Estados Unidos possam ter desaparecido após um novo decreto assinado na sexta-feira pelo presidente Donald Trump.

O decreto suspende temporariamente o principal programa para refugiados dos EUA e interrompe a emissão de vistos para cidadãos de vários países de maioria muçulmana, incluindo o Iraque.

Isso deve afetar dois programas que os parlamentares norte-americanos criaram anos depois a invasão de 2003 para ajudar as dezenas de milhares de iraquianos que arriscaram suas vidas ajudando os norte-americanos.

Trump diz que o decreto é necessário para evitar que militantes islâmicos venham para os EUA como se fossem refugiados, mas ativistas a favor dos refugiados dizem que a ampla checagem dos candidatos por múltiplas agências norte-americanas torna este temor infundado.

Iraquianos que iriam para os EUA através do programa de Vistos Especiais para Imigrantes Iraquianos, que parou de aceitar novas inscrições em 2014, ou o atual Programa de Acesso Direto para Iraquianos Afiliados aos EUA estão perdendo a esperança de um dia conseguirem sair de seu país.

"O senhor Trump, novo presidente, matou nossos sonhos", disse um cidadão de Bagdá cuja esposa trabalhou para a Agência de Desenvolvimento Internacional dos EUA (Usaid, na sigla em inglês) como contadora.

Mais de sete mil iraquianos, muitos dos quais foram intérpretes do Exército dos EUA, se estabeleceram nos Estados Unidos pelo programa de Vistos Especiais para Imigrantes Iraquianos desde 2008, enquanto cerca de outros 500 ainda estão sendo avaliados, de acordo com dados do Departamento de Estado.

Mais 58 mil iraquianos estão aguardando entrevistas pelo programa de Acesso Direto, de acordo com o Projeto de Assistência Internacional a Refugiados. Dezenas de milhares já chegaram sob o segundo programa, mas não há uma estatística recente disponível.

(Por Jonathan Allen e Ned Parker)

Reuters