Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Líder do Partido Democratas Livres da Alemanha (FDP), Christian Lindner, durante coletiva de imprensa, em Berlim 25/09/2017 REUTERS/Wolfgang Rattay

(reuters_tickers)

BERLIM (Reuters) - O líder do Partido Democratas Livres da Alemanha (FDP, na sigla em inglês) disse que sua legenda só fará uma aliança com a chanceler alemã, Angela Merkel, se houver uma mudança no rumo das políticas de governo.

O bloco conservador de Merkel continua sendo o maior do Parlamento depois da eleição nacional de domingo, mas perdeu apoio para a extrema-direita. Como as conversas para a montagem de uma coalizão devem começar em breve, sua única opção realista agora é uma parceria com o FDP e os ambientalistas dos Verdes.

Mas estas duas forças discordam em temas que vão da energia aos impostos, a Europa e a imigração, dificultando o caminho para qualquer acordo de formação de uma chamada coalizão 'Jamaica' – uma referência às respectivas cores preto, amarelo e verde dos partidos.

Para complicar ainda mais o cenário, o bloco conservador de Merkel envolve dois partidos, sua União Democrata-Cristã (CDU) e os aliados bávaros da União Social-Cristã (CSU), que estão se mostrando um obstáculo para um acordo de coalizão.

"Algumas pessoas estão glorificando a 'Jamaica' como um projeto político romântico", disse o líder do FDP, Christian Lindner, ao jornal Die Welt.

"A verdade é que existe uma maioria aritmética, mas os quatro partidos têm cada um seu próprio mandato eleitoral. Se estes podem se aliar sem contradição e no interesse do país é algo para se ver", acrescentou.

"Política não é matemática", afirmou, acrescentando que, na dúvida, seu partido continuará na oposição. "Todos precisam saber que os democratas livres só se juntarão a uma coalizão se houver uma mudança no rumo da política alemã."

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters