Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Jovenel Moise ao lado da mulher, Martine, após vencer a eleição presidencial do Haiti. 28/11/2016 REUTERS/Jeanty Junior Augustin

(reuters_tickers)

Por Joseph Guyler Delva

PORTO PRÍNCIPE (Reuters) - O empresário haitiano Jovenel Moise foi declarado nesta terça-feira o vencedor oficial das eleições presidenciais de novembro no Haiti, após um tribunal eleitoral ter rejeitado alegações de uma grande fraude nas urnas. 

Moise, que concorreu pelo partido do ex-presidente Michel Martelly, venceu com 55,6 por cento dos votos na eleição de 20 de novembro, com o rival mais próximo, Jude Celestin, totalizando 19,5 por cento, disse a porta-voz do tribunal eleitoral Nicole Simeon.

Em seu pronunciamento de vitória, Moise repetiu seu discurso de combate à corrupção e ofereceu uma mensagem de unidade nacional.

“Vamos escrever uma nova página na história, uma que seja positiva para este país, para que futuras gerações possam se orgulhar”, disse a apoiadores em um hotel de luxo em Petion-Ville, um afluente subúrbio da capital.

“Os eleitores que escolheram votar em outro candidato, quero que eles saibam que respeito suas escolhas. Serei presidente para todos os haitianos”, acrescentou. 

Apoiadores do partido do ex-presidente Jean-Bertrand Aristide tinham reivindicado a vitória de sua candidata, Maryse Narcisse, a qual terminou em quarto lugar com 9 por cento dos votos. Alguns apoiadores do candidato de esquerda Moise Jean-Charles, que encerrou em terceiro lugar com 11 por cento, também chegaram a contestar os resultados preliminares.

No entanto, o resultado foi mantido pelo tribunal eleitoral.

“Não houve grande fraude nessas eleições. Houve irregularidades, as quais não afetaram o processo eleitoral”, disse o tribunal antes da confirmação de Moise como presidente. 

Intensas salvas de tiros foram ouvidas em partes da capital na segunda-feira. Oponentes de Moise repetidamente disseram que nunca aceitariam a vitória do candidato do partido de Martelly.

O Haiti ainda se recupera do furacão Matthew que assolou o país em outubro, matando até 1.000 pessoas e deixando 1,4 milhão em necessidade de ajuda humanitária.

Um bem sucedido exportador de banana, Moise assumirá o lugar do presidente interino Jocelerme Privert, que assumiu após Martelly ter deixado o cargo sem eleger um sucessor, em fevereiro de 2016. Moise, de 48 anos, deve tomar posse no prazo constitucional de 7 de fevereiro deste ano.

(Reportagem adicional de Makini Brice)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters