Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ex-jogador de basquete norte-americano Dennis Rodman, após chegar da Coreia do Norte, no aeroporto de Pequim, China 17/06/2017 REUTERS/Thomas Peter

(reuters_tickers)

EDIMBURGO (Reuters) - O ex-jogador de basquete norte-americano Dennis Rodman disse nesta quarta-feira que pratica esqui e canta caraoquê com seu amigo Kim Jong Un, o líder da Coreia do Norte, e que gostaria de "esclarecer as coisas" em meio ao impasse nuclear com os Estados Unidos.

Rodman já fez várias visitas a Kim no país isolado, mas os dois raramente falaram de política, disse o astro aposentado da NBA no programa de televisão britânico "Good Morning Britain".

A Coreia do Norte realizou uma série de testes nucleares e de mísseis, e o presidente dos EUA, Donald Trump, respondeu com alertas de uma reação militar "maciça".

"Para mim, ir para lá e vê-lo (Kim) tanto quanto vi, basicamente passo o tempo todo saindo com ele. Rimos, cantamos caraoquê, fazemos um monte de coisas legais juntos. Andamos a cavalo, saímos, esquiamos, quase nunca falamos de política, e esse é o lado bom", disse Rodman, segundo uma transcrição.

O ex-jogador expressou admiração por Trump, mas disse que o presidente norte-americano é "um pouquinho louco às vezes".

Rodman esteve na Coreia do Norte pela última vez em junho, e visitas anteriores alimentaram rumores de que ele poderia facilitar uma aproximação entre Pyongyang e Washington, mas seus comentários sobre Kim também despertaram sarcasmo.

Rodman afirmou que não está tentando defender as ações de Kim e que é "só um embaixador dos esportes". Ele disse que o relacionamento entre os EUA e a Rússia mudou, "mas por algum motivo temos um grande problema com a Coreia do Norte".

"Eu não o amo (Kim). Só quero tentar esclarecer as coisas para todos se darem bem".

(Por Elisabeth O'Leary)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters