Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Kate Kelland

LONDRES (Reuters) - A depressão é hoje a principal causa de problemas de saúde e invalidez no mundo, alertou a Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quinta-feira, e vitima mais de 300 milhões de pessoas.

Os índices de depressão aumentaram mais de 18 por cento desde 2005, mas a falta de apoio à saúde mental, combinada ao temor comum da estigmatização, faz com que muitos não recebam o tratamento que precisam para viver de maneira saudável e produtiva.

"Estas novas cifras são um chamado para que todos os países repensem suas abordagens para a saúde mental e a tratem com a urgência que ela merece", disse Margaret Chan, diretora-geral da OMS, em um comunicado feito na sede da agência da Organização das Nações Unidas (ONU) em Genebra.

A OMS está realizando uma campanha de saúde mental para enfrentar os estigmas e os equívocos ligados ao tema chamada "Depressão: Vamos Conversar".

"Para alguém que vive com depressão, conversar com uma pessoa em quem confiam muitas vezes é o primeiro passo rumo ao tratamento e à recuperação", disse Shekhar Saxena, que dirige o departamento de saúde mental da OMS.

A depressão é uma doença mental comum caracterizada pela tristeza persistente, perda de interesse e falta de capacidade para atividades cotidianas e o trabalho, e afeta cerca de 322 milhões de pessoas em todo o mundo.

Ela ainda aumenta o risco de várias doenças e transtornos graves, como vício, comportamento suicida, diabetes e doenças cardíacas, que em si mesmas são algumas das maiores causas de mortalidade.

A OMS expressou o temor de que em muitos países exista pouco ou nenhum apoio para pessoas com distúrbios mentais, e disse que só cerca de metade das pessoas com depressão recebem tratamento em nações mais ricas.

Em média, só 3 por cento dos orçamentos de saúde dos governos são investidos na saúde mental, variando de 1 por cento em países pobres a 5 por cento nos ricos, de acordo com a OMS.

"Uma compreensão melhor da depressão e de como ela pode ser tratada... é só o começo", disse Saxena. "O que precisa vir a seguir é um reforço contínuo nos serviços de saúde mental acessíveis a todos, até as populações mais remotas".

Reuters