Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

BUENOS AIRES (Reuters) - Mais argentinos desaprovam o presidente do país, Maurício Macri, do que aprovam pela primeira vez desde que ele assumiu o cargo há mais de um ano, de acordo com uma pesquisa da consultoria Management & Fit publicada pelo jornal Clarín neste domingo.

A desaprovação de Macri foi de 44,2 por cento, contra 40,2 por cento dos argentinos que o aprovam, mostrou a pesquisa, sem mencionar dados de levantamentos anteriores.

Macri anunciou uma série de reformas amigáveis aos mercados que reduziram subsídios defendidos por seus antecessores de esquerda, mas a terceira maior economia da América Latina ainda não deu sinais claros da recuperação que ele prometeu quando era candidato.

Cerca de 48 por cento dos argentinos acham que a economia vai piorar nos próximos meses, contra 27 por cento que acham que vai melhorar, apontou a pesquisa.

Nesta semana a maior central sindical do país convocou uma greve geral para o dia 6 de abril para protestar contra políticas que eles afirmam prejudicar os trabalhadores e eliminar empregos.

De acordo com o levantamento, a corrupção é a maior preocupação dos argentinos, seguida por crime e desemprego.

Neste mês Macri prometeu novas leis para evitar conflitos de interesse em seu governo, após enfrentar acusações de tentar beneficiar empresas ligadas à sua família.

A pesquisa ouviu 2 mil pessoas entre os dias 11 e 17 de março.

(Reportagem de Maximilian Heath)

Reuters