Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Um dos vencedores do prêmio Nobel de Medicina Michael Rosbash, em sua casa, em Newton, nos Estados Unidos 02/10/2017 REUTERS/Brian Snyder

(reuters_tickers)

ESTOCOLMO (Reuters) - Os cientistas norte-americanos Jeffrey Hall, Michael Rosbash e Michael Young receberam o prêmio Nobel de Medicina de 2017 por suas descobertas de mecanismos moleculares que controlam nossos relógios biológicos, anunciou nesta segunda-feira o instituto que concede os prêmios.

Os mecanismos ajudam a explicar, por exemplo, por que pessoas que viajam longas distâncias ao longo de vários fusos horários costumam sofrer de jet lag, e têm implicações mais abrangentes para a saúde, como o risco maior de ter certas doenças.

"As descobertas (dos três cientistas) explicam como plantas, animais e humanos adaptam seu ritmo biológico de forma que seja sincronizado com as revoluções da Terra", disse a Assembleia do Nobel do Instituto Karolinska da Suécia em um comunicado.

Os ganhadores usaram moscas-das-frutas para isolar um gene que controla o ritmo biológico diário normal e mostraram como este gene codifica uma proteína que se acumula na célula durante a noite e se degrada durante o dia.

"O relógio regula funções críticas, como comportamento, níveis hormonais, sono, temperatura corporal e metabolismo", afirmou a Assembleia do Nobel ao conceder o prêmio equivalente a 1,1 milhão de dólares.

Thomas Perlmann, secretário do Comitê do Nobel do Instituto Karolinska, descreveu a reação de Rosbash ao ser informado da homenagem: "Ele ficou em silêncio, e depois disse 'você está brincando'".

A medicina é o primeiro prêmio Nobel anunciado a cada ano. As homenagens por conquistas na ciência, literatura e paz foram criadas de acordo com o testamento de Alfred Nobel, empresário e inventor da dinamite, e são concedidas desde 1901.

Os premiados com o Nobel de medicina incluem grandes cientistas, como Alexander Fleming, descobridor da penicilina, e Karl Landsteiner, cuja identificação de tipos sanguíneos diferentes abriu caminho para as transfusões seguras.

O prêmio já teve suas polêmicas, especialmente quando visto em retrospecto, como aquele concedido em 1948 pela descoberta do DDT, um produto químico que ajudou a combater epidemias, mas mais tarde foi proibido devido aos danos que causa ao meio ambiente.

(Por Niklas Pollard e Simon Johnson; Reportagem adicional de Anna Ringstrom, Daniel Dickson e Johannes Hellstrom)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters