Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Visão geral da montanha Piz Cengalo, perto de vilarejo Bondo, na Suíça 26/08/2017 REUTERS/Arnd Wiegmann

(reuters_tickers)

ZURIQUE (Reuters) - A queda de uma rocha atingiu um vale remoto do leste da Suíça onde oito praticantes de caminhada foram soterrados por um deslizamento de terra na semana passada, deixando presas duas pessoas que tiveram de ser resgatadas de helicóptero.

Uma estrada ficou coberta de lama pelo deslizamento de terra ocorrido no final da quinta-feira perto da cidade de Bondo, onde trabalhadores haviam retirado destroços depois do deslizamento de 23 de agosto que matou oito pessoas.

Acredita-se que ninguém tenha se ferido, disse a polícia nesta sexta-feira, mas vários hóspedes de hotéis e moradores tiveram que ser retirados depois do deslizamento, que aconteceu devido à chuva constante que saturou a lama e deixou as rochas instáveis nos flancos da montanha Piz Cengalo, de 3.369 metros de altura.

Vários prédios das cidades de Bondo e Sottoponte foram destruídos. Casas da cidade de Spino também sofreram danos. 

"O deslizamento de terra foi precedido de trovões e raios fortes e diversas quedas de rocha em Piz Cengalo", informou a polícia do cantão dos Grisões, acrescentando que um helicóptero teve que retirar duas pessoas de edifícios onde ficaram presas.

Cerca de 50 agentes de emergência estavam no local para ajudar.

Os praticantes de caminhada que morreram no deslizamento da semana passada eram alemães, austríacos e suíços. Seus nomes não foram divulgados e a busca por seus corpos foi abandonada, já que as autoridades acreditam que eles estão soterrados sob milhões de toneladas de rocha e lama.

(Por John Miller)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters