Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Desmond Tutu durante entrevista na Cidade do Cabo 25/4/2006 REUTERS/Mike Hutchings

(reuters_tickers)

JOANESBURGO (Reuters) - O arcebispo emérito sul-africano Desmond Tutu renunciou como embaixador da Oxfam nesta quinta-feira, citando a decepção com a implicação da agência humanitária britânica em um escândalo sexual envolvendo agentes no Haiti após um grande terremoto em 2010.

Hoje com 86 anos, o Prêmio Nobel da Paz se retirou da vida pública em 2010 devido à idade avançada, mas continuou representando a Oxfam mesmo aposentado.

"O arcebispo está profundamente decepcionado com as alegações de imoralidade e possível criminalidade envolvendo agentes humanitários ligados à instituição de caridade", disse um comunicado de seu escritório.

Tutu também ficou triste com o fato de as alegações terem manchado o bom trabalho realizado por muitas milhares de pessoas que trabalham para a Oxfam, acrescentou o texto.

Na sexta-feira o jornal Times noticiou que alguns agentes da Oxfam pagaram para fazer sexo com prostitutas no Haiti depois do terremoto que vitimou o país em 2010. A Oxfam nem confirmou nem negou a reportagem, mas disse que uma investigação interna de 2011 confirmou que houve má conduta sexual e que se desculpou.

A entidade corre o risco de perder o financiamento que recebe do governo do Reino Unido por conta de acusações de má conduta sexual no Haiti e no Chade.

Autoridades de alto escalão já deixaram a Oxfam. O ex-diretor nacional da agência no Haiti, que está no cerne do escândalo, negou nesta quinta-feira que pagou por sexo com prostitutas ou abusou de menores.

(Por Ed Cropley)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters