Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

(Reuters) - Detentos de uma prisão do Estado norte-americano de Delaware fizeram dois agentes carcerários reféns no início desta quinta-feira, exigindo melhores condições e uma chance de conversar com autoridades superiores, de acordo com reportagens da mídia local.

Cerca de 14 detentos foram libertados do cerco às 12h30 locais e transferidos para outra parte do Centro Correcional James T. Vaughn, uma prisão masculina na cidade de Smyrna, onde uma rebelião teve início um dia antes, noticiou uma filiada da rede ABC na Filadélfia.

As exigências dos detentos foram relatadas pelo site do News Journal de Delaware, que citou conversas telefônicas com pessoas dentro do presídio que foram repassadas por familiares de prisioneiros.

Dois outros funcionários foram libertados na quarta-feira, embora os dois agentes carcerários ainda estejam sendo mantidos. Um dos funcionários libertos foi levado a um hospital com ferimentos, mas sem risco de morte, disse o sargento Richard Bartz, porta-voz da Polícia Estadual de Delaware, aos repórteres.

Veículos blindados, equipes da unidade de Armas e Táticas Especiais (Swat, na sigla em inglês) e paramédicos de equipes de emergência convergiram para a prisão, relatou o News Journal, e imagens aéreas do canal WPVI mostraram dezenas de agentes uniformizados em formação.

"Colocamos todos os recursos que temos à disposição para retirar nossos funcionários", disse o governador de Delaware, John Carney, em uma coletiva de imprensa na noite de quarta-feira.

Robert Coupe, secretário do Departamento de Proteção e Segurança Interna de Delaware, disse mais tarde: "Assim que este assunto for resolvido com segurança, aí será hora de conversar".

(Por Brendan O'Brien em Milwaukee)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters