Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

THAME, Inglaterra (Reuters) - O ex-ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, Boris Johnson, voltou das suas férias neste domingo para encarar críticas e apoio a respeito de seus comentários sobre a burca, aprofundando divisões no Partido Conservador governista.

Johnson, visto como a maior ameaça à liderança tumultuada da primeira-ministra Theresa May, virou um pára-raio da insatisfação dentro do partido, depois de uma coluna de jornal em que disse que mulheres islâmicas que usam burcas parecem caixas de correio ou ladras de banco. 

O comentário estava em um artigo argumentando contra o banimento do véu islâmico que cobre o rosto inteiro, mas foi criticado como islamofóbico. Outros viram o comentário como uma retórica colorida que ressoou com muitos britânicos. 

May criticou Johnson, motivando irritação entre seus apoiadores que o veem como um ponto focal da resistência à sua proposta para a saída da União Europeia “amigável aos negócios”. O partido também abriu investigação sobre os comentários. 

Sob a manchete “Boris começa guerra de gabinete”, o Sunday Times disse que quatro ministros não identificados ficaram desanimados com a maneira como May lidou com a situação. 

“Eles conseguiram construir um desastre total”, teria dito um ministro. “Tentar silenciar Boris é estúpido, especialmente quando a maioria das pessoas concorda com ele.”

Johnson passou o domingo em sua casa na pequena cidade de Thame, a 80 quilômetros ao noroeste de Londres, aparecendo apenas para levar xícaras de chá para os repórteres. Questionado se arrepende dos comentários, ele se recusou a responder. 

Johnson renunciou ao cargo mês passado em protesto contra o plano de May para o Brexit, estabelecendo-se como um talismã para muitos conservadores que querem uma saída mais radical da União Europeia. 

Enquanto isso, May sofre para manter o seu gabinete unido em relação ao Brexit e passa por meses desafiadores, nos quais espera assegurar um acordo para sair da União Europeia, diante da base insatisfeita do partido, e vencer uma votação crucial no parlamento. 

Os comentários de Johnson sobre a burca foram defendidos, entre outros, pelo ex-estrategista político de Donald Trump, Steve Bannon, que disse ao Sunday Times que a mensagem abrangente ficou perdida por causa de uma “frase de passagem”. Bannon já havia dito que Johnson deveria desafiar a liderança de May. 

Mas um membro do Partido Conservador, na Câmara Alta do Parlamento, e antigo conselheiro político, Andrew Cooper, acusou Johnson de “vazio moral”e populismo por seus comentários. 

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters