Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Policial é vista na entrada de uma residência de luxo na Rue Tronchet, região central de Paris, onde homens mascarados e armados assaltaram a estrela de reality show norte-americana Kim Kardashian West em outubro do ano passado 03/10/2016 REUTERS/Gonzalo Fuentes

(reuters_tickers)

PARIS (Reuters) - Traços de DNA descobertos em pulseiras de plástico usadas para amarrar os pulsos de Kim Kardashian ajudaram a polícia francesa a prender 17 suspeitos em conexão com um assalto armado em outubro do ano passado, em Paris, onde foram levadas jóias da personalidade de reality show. 

Os rastros genéticos de uma pessoa levaram a uma ampla rede de suspeitos na segunda-feira, muitos dos quais conhecidas figuras do submundo francês, disse uma fonte policial. 

Os presos, incluindo um idoso que os investigadores acreditam que esteve no local, estão sendo interrogados na sede da polícia parisiense desde a manhã de segunda-feira, após batidas policiais nas cidades de Rouen, Grasse e na região da grande Paris.

Entre eles está também o motorista que Kim utilizou para ir para a semana de moda da capital francesa. Foi na ocasião de sua visita que os ladrões entraram em seu apartamento de luxo, a amarraram sob ameaça de arma de fogo e roubaram suas jóias. Alguns fugiram de bicicleta. 

O roubo de jóias no valor estimado de 9 milhões de euros (30 milhões de reais) levou a polícia a um homem com mais de 70 anos em Grasse, uma vila próxima à Riviera Francesa, disse a fonte policia. 

(Por Gerard Bon)

Reuters