Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

PEQUIM (Reuters) - O risco de uma queda acentuada na economia chinesa diminuiu, disse o diretor de um centro de pesquisa do governo no domingo, acrescentando que o país passou por um padrão em "L" de desaceleração, para agora obter um crescimento "horizontal".

A economia da China cresceu 6,7 por cento no ano passado, de acordo com o governo, o ritmo mais lento em 26 anos. O país alcançou sua meta de crescimento com o apoio de empréstimos bancários recordes, um 'boom' especulativo da habitação e bilhões em investimentos governamentais. 

Mas enquanto Pequim se move para esfriar o mercado imobiliário, retardar novos créditos e apertar o cinto, a China vai depender mais do mercado doméstico e dos investimentos privados. O governo na semana passada reduziu sua meta de crescimento econômico para cerca de 6,5 por cento para este ano.

Li Wei, diretor do Centro de Pesquisas para o Desenvolvimento do Conselho de Estado, gabinete da China, disse que muitos sinais econômicos positivos estavam surgindo no mercado interno e internacional, e que o risco de uma grande queda no crescimento econômico tinha sido "claramente reduzido".

O desenvolvimento econômico da China passou de um "traço descendente na forma de L para um traço horizontal", disse a agência de notícias oficial Xinhua, citando comentários de Li durante uma sessão anual do parlamento chinês.

A tendência horizontal aponta para um desenvolvimento estável a longo prazo, mas não elimina a possibilidade de flutuações de curto prazo ou significa que a transformação econômica está completa, disse Li.

"Nossa economia ainda tem muitas dificuldades para resolver, por isso temos de nos preparar para responder ao surgimento de possíveis riscos relativamente grandes", disse Li.

Mais cedo no domingo, o vice-presidente da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma (NDRC, na sigla em inglês), Ning Jizhe, disse que a produção industrial de China cresceu mais de 6 por cento em janeiro e em fevereiro, e que a taxa de desemprego baseada em pesquisas em 31 cidades principais era de aproximadamente 5 por cento para os dois meses.

Jizhe forneceu dados aproximados, que estão em linha com as expectativas sobre os dados oficiais a serem publicados na terça-feira. 

O crescimento do investimento em ativos fixos manteve o ritmo dos últimos meses do ano passado, disse Jizhe.

"O crescimento econômico da China ainda depende principalmente da demanda doméstica", disse ele.

Reuters