Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

CAIRO (Reuters) - O Egito convocou neste domingo vários embaixadores do Ocidente em protesto contra um comunicado criticando a prisão no país de um advogado de direitos humanos que ajudava a investigar o caso de um estudante italiano assassinado.

Alemanha, Itália, Holanda, Reino Unido e Canadá divulgaram nota na noite de sexta-feira criticando a detenção de Ibrahim Metwaly, que estava ajudando a investigar o assassinado de Giulio Regeni.

O corpo do estudante de PhD foi descoberto em uma vala nos arredores e Cairo, em 2016, e apresentava sinais de tortura extensiva.

O Ministério de Relações Exteriores do Egito informou por meio de comunicado que os embaixadores da Alemanha, Holanda e Itália haviam sido convocados e que os procedimentos para Reino Unido e Canadá estavam em andamento.

O ministério ainda disse que as críticas dos cinco países ocidentais eram uma "interferência flagrante e inaceitável nos assuntos domésticos e no trabalho do Judiciário".

"É lamentável que tal comunicado tenha sido emitido de países que exigem o respeito do estado de direito e os princípios de separação de poderes", disse o ministério de Relações Exteriores do Egito.

(Por Amina Ismail e Arwa Gaballa)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters