Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Arqueólogo na tumba de Userhat, no Egito 18/4/2017 REUTERS/ Sherif Fahmy

(reuters_tickers)

LUXOR, EGITO (Reuters) - Arqueólogos egípcios desenterraram a tumba de um nobre de mais de 3 mil anos atrás, na última de uma série de grandes descobertas de relíquias antigas, que o Egito espera que irá reviver o turismo que foi afetado pela instabilidade política no país.

A descoberta, realizada próxima da cidade do Nilo de Luxor, é a tumba de Userhat, um juiz do Novo Reino. Ela consiste em um pátio aberto que leva a um salão retangular, um corredor e quarto interno, informou o Ministério de Antiguidades nesta terça-feira.

Em um dos quartos da tumba, arqueólogos encontraram uma coleção de manequins, máscaras de madeira e algumas tampas de sarcófagos. A escavação continua no segundo quarto.

No início desse ano, arqueólogos suecos descobriram 12 antigos cemitérios egípcios nas redondezas da cidade de Aswan, datados de 3.500 anos atrás.

Em março, o Egito desenterrou uma estátua de oito metros no subúrbio de Cairo que acredita-se ser do rei Psammetich 1.

Hisham El Demery, chefe da Autoridade de Desenvolvimento de Turismo no Egito, disse que o turismo estava aumentando e que descobertas como as de Luxor podem encorajar o setor.

"Essas descobertas são uma boa notícia para a indústria de turismo do Egito, o que é algo que nós realmente precisamos", disse.

O turismo no Egito foi afetado pelos protestos em massa que derrubaram o então presidente Hosni Mubarak em 2011. Ataques de bomba de militantes também desencorajaram visitantes.

(Reportagem de Mohamed Mahrous e Arwa Gaballa)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters