Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente da China, Xi Jinping, durante abertura do Congresso do Partido Comunista, em Pequim 18/10/2017 REUTERS/Aly Song

(reuters_tickers)

Por Christian Shepherd e Stella Qiu

PEQUIM (Reuters) - O presidente da China, Xi Jinping, abriu nesta quarta-feira uma edição crucial do Congresso do Partido Comunista com a promessa de construir um "país de sociedade moderna" para uma "nova era", que será orgulhosamente chinesa e comandada com firmeza pelo partido, mas aberta para o mundo.

O discurso abrangente de Xi delineou uma visão confiante para uma China mais próspera e seu lugar na comunidade internacional, enfatizando a importância de se erradicar a corrupção e conter o excesso de produção industrial, a desigualdade de renda e a poluição.

Xi deixou claro que não existem planos de reforma política, mas disse que o desenvolvimento chinês entrou em uma "nova era", frase que usou 36 vezes durante o discurso de quase três horas e meia.

"Com décadas de trabalho duro, o socialismo com características chinesas cruzou a fronteira para uma nova era", disse.

O congresso, que ocorre duas vezes por década e dura uma semana, a maior parte do tempo a portas fechadas, culminará na seleção de um novo Comitê Permanente do Politburo, que governará os 1,4 bilhão de habitantes do país pelos próximos cinco anos. Xi deve consolidar seu controle e pode se manter no poder para além de 2022, quando o próximo congresso acontece.

Xi, de 64 anos, visto por muitos como o líder chinês mais poderoso desde Mao Tsé-Tung, discursou no Grande Salão do Povo de Pequim a mais de 2 mil delegados, entre eles o ex-presidente Jiang Zemin, hoje com 91 anos de idade. A segurança foi reforçada no dia chuvoso que envolveu a capital.

Como esperado, o discurso foi repleto de aspirações e escasso de planos específicos.

Na economia, Xi disse que a China relaxará o acesso de investimentos estrangeiros ao mercado, ampliará o acesso ao seu setor de serviços e aprofundará uma reforma de sua taxa de câmbio e seu sistema financeiro, um agrado ao mercado, ao mesmo tempo fortalecendo as estatais do país.

Durante o primeiro mandato de Xi a China decepcionou muitos dos que esperavam que a nação adotasse reformas mais favoráveis ao mercado, especialmente em seu setor estatal, onerado por dívidas.

"Se Xi conseguir o mandato político que se espera do congresso, minha esperança é que as reformas do setor estatal realmente sejam feitas", disse Damien Ma, membro e diretor-associado do Instituto Paulson, no Reuters Global Markets Forum.

No que pode ter sido uma referência indireta à política "América Primeiro", do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, Xi prometeu que a China se engajará plenamente com o mundo e reiterou as promessas de combater a mudança climática.

(Reportagem adicional de Philip Wen, Pei Li, Michael Martina, Cate Cadell, Kevin Yao, Yawen Chen, Elias Glenn e Se Young Lee)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters