Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Soldados norte-coreanos, em Pyongyang 09/09/2017 Kyodo/via REUTERS

(reuters_tickers)

Por Jack Kim e Roberta Rampton

SEUL/WASHINGTON (Reuters) - A Coreia do Norte desafiou nesta quarta-feira as sanções impostas pelo Conselho de Segurança da ONU após o sexto e maior teste nuclear do regime norte-coreano, se comprometendo a redobrar esforços para combater o que disse ser uma ameaça de invasão norte-americana.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse que as sanções de segunda-feira, aprovadas por unanimidade pelos 15 membros do Conselho, são apenas um pequeno passo em direção ao que é necessário em última instância para lidar com os programas nuclear e de míssil de Pyongyang.

O Ministério de Relações Exteriores norte-coreano disse que as resoluções são uma violação de seu direito legítimo de autodefesa e que tem como objetivo "sufocar completamente seu Estado e população através de um bloqueio econômico de escala total".

"A Coreia do Norte redobrará os esforços para aumentar sua força para proteger a soberania e direito à existência do país e para preservar a paz e segurança da região estabelecendo o equilíbrio prático com os EUA", disse, em comunicado divulgado pela agência de notícias estatal norte-coreana, KCNA.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters