Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ex-primeira-dama dos EUA Michelle Obama em Chicago 1/11/2017 REUTERS/Kamil Krzaczynski

(reuters_tickers)

(Reuters) - A ex-primeira-dama norte-americana Michelle Obama jamais perdoará o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, por estimular uma teoria da conspiração preconceituosa que questionou se seu marido nasceu nos EUA, noticiou o jornal Washington Post nesta sexta-feira.

Em outra entrevista à rede ABC News antes do lançamento de seu livro de memórias, "Becoming", na terça-feira, Michelle também revelou que sofreu um aborto espontâneo 20 anos atrás e que fez fertilização in vitro para conceber suas duas filhas.

De posse de uma cópia prévia do livro, o Post citou um trecho no qual ela diz que o chamado movimento birther, que alegou falsamente que o ex-presidente Barack Obama nasceu no exterior, foi "louco e mal-intencionado" e poderia ter colocado sua família em perigo.

    "E se alguém de mente instável carregasse uma arma e fosse a Washington? E se esta pessoa saísse atrás de nossas meninas?", escreveu Michelle. "Donald Trump, com suas insinuações estridentes e negligentes, estava colocando a segurança de minha família em risco. E disso eu nunca o perdoarei".

Indagado nesta sexta-feira sobre os comentários, Trump não respondeu diretamente, preferindo atacar Barack Obama.

    "Eu não vi. Acho que ela escreveu um livro. Ela recebeu muito dinheiro para escrever um livro, e eles sempre insistem que você apareça com polêmicas", disse ele aos repórteres na Casa Branca ao partir em viagem para Paris.

    "Bem, vou lhes devolver um pouco de polêmica: eu nunca o perdoarei pelo que ele fez aos militares de nossos Estados Unidos não os financiando devidamente".

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters