Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Secretário-geral da ONU Guterres faz discurso em Londres 11/5/2017 REUTERS/Jack Hill/Divulgação

(reuters_tickers)

Por Michelle Nichols

NOVA YORK (Reuters) - A mudança climática é incontestável e é “absolutamente essencial” que o mundo lute junto contra o problema, argumentou o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres, conforme o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, considera deixar o acordo climático de Paris.

Trump se recusou a endossar o acordo sobre mudanças climáticas em uma cúpula do G7, grupo dos sete países mais ricos, no sábado, dizendo precisar de mais tempo para decidir. Ele então publicou no Twitter que irá fazer um anúncio nesta semana.

“Se qualquer governo duvidar da vontade global e necessidade deste acordo, isto é uma razão para todos os outros se juntarem ainda mais fortes e manterem o caminho”, disse Guterres durante evento na Universidade de Nova York. “A mensagem é simples: o trem da sustentabilidade deixou a estação. Entre nele ou fique para trás”.

“O mundo está em uma bagunça”, disse Guterres. “É absolutamente essencial que o mundo implemente o Acordo de Paris”.

Trump, que anteriormente chamou o aquecimento global de farsa, sofreu pressão em coro de outros líderes mundiais para honrar o Acordo de Paris de 2015, o primeiro a comprometer todos os países a ajustarem metas para conter emissões de carbono.

“Acreditamos que será importante que os EUA não deixem o Acordo de Paris”, disse Guterres.

“Mas mesmo que o governo dos EUA decida deixar o Acordo de Paris, é muito importante que a sociedade dos EUA como um todo – as cidades, os Estados, as companhias, os negócios – continue engajados com o Acordo de Paris”, acrescentou.

Os EUA são a maior economia do mundo e o segundo maior emissor de gases causadores do efeito estufa, atrás da China.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters