Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Trump concede entrevista na Casa Branca. 16/2/2017. REUTERS/Kevin Lamarque

(reuters_tickers)

Por Steve Holland

WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, rejeitou relatos da imprensa de que a sua equipe da campanha eleitoral teve contatos com autoridades russas de inteligência, dizendo nesta quinta-feira que não tinha conhecimento de nenhum integrante da sua equipe em comunicação com a Rússia antes das eleições de novembro.

Num momento em que o seu governo enfrenta uma polêmica crescente sobre a relação dos seus assessores com Moscou, Trump também disse que não havia orientado o seu ex-conselheiro de segurança nacional Michael Flynn a falar com o embaixador russo sobre sanções norte-americanas antes de assumir o poder.

Falando durante uma entrevista à imprensa na Casa Branca, Trump chamou a polêmica sobre a relação entre os seus assessores e Moscou como uma “fraude” e “uma manobra” por parte de meios de comunicação hostis.

Trump disse que pediu ao Departamento de Justiça para examinar os vazamentos de “informação confidencial dada ilegalmente” para jornalistas sobre a relação entre os seus assessores e a Rússia.

"Os vazamentos são absolutamente reais. As notícias são falsas”, disse Trump.

Ele também afirmou que não considera que o presidente russo, Vladimir Putin, estava tomando medidas para testá-lo logo no início do seu mandato.

Trump, que assumiu o poder em 20 de janeiro e manifestou apoio a relações melhores com a Rússia, acrescentou que ele pessoalmente não tinha negócios naquele país.

O New York Times informou na terça-feira que registros de telefonemas e ligações interceptadas mostravam que integrantes da equipe de campanha de Trump e outras pessoas ligadas ao presidente tiveram contatos repetidos com representantes da inteligência russa no ano anterior à eleição de 8 de novembro na qual Trump derrotou a democrata Hillary Clinton.

Pressionado pelos jornalistas sobre se tinha conhecimento de algum integrante da sua campanha presidencial mantendo contato com a Rússia antes da eleição, o presidente republicano disse: “Ninguém que eu saiba”.

Trump pediu e recebeu o pedido de demissão de Flynn na segunda-feira após revelações de que o conselheiro tinha discutido sanções norte-americanas contra a Rússia com o embaixador russo nos EUA, antes de o presidente assumir o poder. Segundo as revelações, Flynn depois não passara as informações corretas ao vice-presidente Mike Pence sobre essas conversas.

"Você sabe, primeiro todo mundo ficou empolgado porque eles pensaram que ele tinha feito algo errado. Depois que pensaram sobre o caso, viu-se que ele estava apenas fazendo o trabalho dele”, afirmou Trump sobre Flynn em relação à conversa com embaixador.

"Não, eu não o orientei, mas eu teria o orientado se ele não fizesse. OK?”, afirmou Trump, que disse que o problema foi Flynn não ter passado as informações corretas para Pence.

Trump, rico empresário de Nova York com interesses globais, também disse que não tinha laços com a Rússia. "Eu posso te falar, falando sobre mim, eu não tenho nada na Rússia. Eu não tenho empréstimos na Rússia. Eu não tenho nenhum acordo na Rússia”, declarou.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters