Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, durante reunião com líderes comerciais em Pequim, na China 09/11/2017 REUTERS/Jonathan Ernst

(reuters_tickers)

Por Steve Holland e Christian Shepherd

PEQUIM (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, pressionou a China nesta quinta-feira a fazer mais para controlar a Coreia do Norte, e disse que as relações comerciais bilaterais têm sido injustas com os Estados Unidos, mas elogiou o compromisso do presidente chinês, Xi Jinping, de que a China será mais aberta a empresas estrangeiras.

Sobre os programas nuclear e de míssil da Coreia do Norte, Trump disse que a "China pode resolver esse problema rápida e facilmente", pedindo que Pequim corte laços financeiros com a Coreia do Norte e também pedindo pela ajuda da Rússia.

Trump falou ao lado de Xi na capital chinesa para anunciar a assinatura de cerca de 250 bilhões de dólares em acordos comerciais entre empresas norte-americanas e chinesas, em um passo que alguns da comunidade empresarial dos EUA temem desviar o foco do combate às profundas reclamações sobre o acesso ao mercado da China.

Xi disse que a economia chinesa se tornará cada vez mais aberta e transparente para empresas estrangeiras, incluindo aquelas dos Estados Unidos.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters