Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Prédio do Congresso dos Estados Unidos 04/05/2017 REUTERS/Yuri Gripas

(reuters_tickers)

Por Susan Cornwell e Yasmeen Abutaleb

WASHINGTON (Reuters) - Senadores republicanos dos Estados Unidos concordaram nesta terça-feira em iniciar debates sobre um projeto de lei para acabar com o Obamacare, mas os esforços de sete anos do partido para reverter a lei de saúde assinada pelo presidente democrata Barack Obama ainda enfrentam obstáculos significativos.

O Senado ficou em impasse de 50 a 50 para seguir em frente com os debates sobre assistência médica, forçando o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, a dar o voto de desempate.

O senador John McCain, que foi diagnosticado neste mês com câncer no cérebro e tem se recuperado em sua casa no Arizona de uma cirurgia, fez um dramático retorno ao Capitólio dos EUA para dar um voto crucial a favor do processo.

O resultado foi um grande alívio para o presidente Donald Trump, que havia pressionado seus colegas republicanos nos dias recentes para cumprir as promessas de campanha do partido de revogar o Ato de Cuidados Acessíveis de 2010, conhecido popularmente como Obamacare. Minutos após a votação, Trump a chamou de “um grande passo”.

Mas a vitória acirrada em uma simples questão procedimental levantou dúvidas sobre se republicanos conseguem reunir votos necessários para passar qualquer uma das várias abordagens para revogação. Moderados estão preocupados que a revogação irá tirar os seguros de norte-americanos de baixa renda e conservadores estão irritados que os projetos de lei propostos não vão longe o suficiente para cortar o Obamacare.

McCain recebeu aplausos de seus colegas senadores ao entrar no plenário para votar a favor de iniciar os debates. Após votar, ele criticou o crescente partidarismo no Senado e insistiu que membros aprendam como “confiar uns nos outros novamente”.

Ele disse que não votaria no projeto de lei de assistência médica “como está hoje”, e acrescentou: “Sei que muitos de vocês terão que ver o projeto substancialmente alterado para apoiá-lo”.

As senadoras Susan Collins e Lisa Murkowski foram as únicas republicanas opostas à medida, e com republicanos controlando o Senado por maioria de 52 assentos a 48, estes eram os únicos votos que a liderança do partido podia perder. Democratas estavam unidos em oposição à moção para prosseguimento.

O senador republicano Ron Johnson, que deu o último e decisivo voto para iniciar debates, se envolveu em uma discussão acalorada com o líder da maioria no Senado, Mitch McConnell, antes de dar seu voto e encerrar o suspense.

Uma derrota nesta terça-feira poderia ter sido um golpe final aos esforços republicanos de revogar o Obamacare, assim como ter colocado dúvidas sobre perspectivas de Trump de alcançar quaisquer outros itens importantes de sua agenda legislativa, incluindo reforma fiscal.

“Nós temos um dever de agirmos”, disse McConnell a senadores antes da votação, lembrando republicanos que haviam prometido revogar o Obamacare em quatro eleições seguidas. “Não podemos deixar este momento escapar”.

À medida que a votação teve início, mais de duas dúzias de manifestantes no plenário do Senado gritaram “matem o projeto” antes de serem removidos.

O Senado agora irá iniciar o que McConnell prometeu ser um robusto debate sobre assistência médica, que irá incluir uma variedade de alterações.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters