Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Ministro de Estado para as Relações Exteriores dos Emirados, Anwar Gargash, em Abu Dhabi. 22/01/2013 REUTERS/Ben Job

(reuters_tickers)

Por Sylvia Westall e Tom Finn

DUBAI/DOHA (Reuters) - Os Emirados Árabes Unidos aumentaram a pressão sobre o Catar nesta quarta-feira ameaçando qualquer um que expresse simpatia com o vizinho de Golfo Pérsico com até 15 anos de prisão e impedindo a entrada de portadores de passaportes ou vistos de residência catarianos.

Os esforços para resolver a crise regional desencadeada na segunda-feira, quando Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita, Egito e outros cortaram laços diplomáticos com o Catar devido a seu suposto apoio ao Irã e a grupos radicais islâmicos, não mostraram sinais imediatos de sucesso.

O ministro de Estado para as Relações Exteriores dos Emirados, Anwar Gargash, ameaçou mais restrições, se necessário, e disse que o Catar precisa assumir compromissos "rígidos" com mudanças nas políticas de financiamento de militantes. O Catar nega veementemente que oferece tal apoio.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tomou partido na crise na terça-feira, elogiando a ação contra o Catar, mas conversou por telefone mais tarde com o rei Salman, da Arábia Saudita, e enfatizou a necessidade de união no Golfo.

O secretário da Defesa norte-americano, James Mattis, também conversou com seu homólogo catariano para expressar comprometimento com a segurança da região do Golfo. O Catar abriga 8 mil efetivos militares dos EUA em Al Udeid, a maior base aérea norte-americana no Oriente Médio e local de preparativos de ataques que lidera contra o grupo militante Estado Islâmico.

O emir do Kuwait também está tentando mediar a crise e se encontrou com o rei da Arábia Saudita na terça-feira.

Mas o isolamento do Catar dos outros poderosos Estados árabes só aumentou. O jornal Gulf News, sediado nos Emirados, e o canal pan-árabe Al-Arabiya relataram um recuo nas expressões de simpatia pelo Catar.

"Uma ação rigorosa e firme será adotada contra qualquer um que mostre simpatia ou qualquer forma de inclinação pelo Catar, ou contra qualquer um que objete à posição dos Emirados Árabes Unidos, seja por meio das redes sociais ou qualquer forma escrita, visual ou verbal", disse o Procurador-Geral dos Emirados, Hamad Saif al-Shamsi, segundo o Gulf News.

Além de uma possível pena de prisão, os infratores também podem ser sujeitos a uma multa de ao menos 500 mil dirhams, a moeda local, disse o diário, citando um comunicado à mídia de língua árabe.

Desde que a desavença diplomática emergiu, slogans contra e a favor do Catar vêm dominando o Twitter em árabe, uma plataforma muito usada no mundo árabe, particularmente na Arábia Saudita.

O Iêmen, o governo da Líbia sediado no leste do país, as Ilhas Maldivas e a Mauritânia também cortaram relações com o Catar, e a Jordânia reduziu sua representação diplomática e revogou a licença do canal catari Al Jazeera.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters