Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Homem empurra carrinho de mão em área com enchente em Fort Liberte, no Haiti, após furacão Irma 8/9/2017 REUTERS/Andres Martinez Casares

(reuters_tickers)

BOGOTÁ (Thomson Reuters Foundation) - Pode demorar meses para os agricultores do Haiti se recuperarem das chuvas pesadas do furacão Irma, que inundaram partes da nação caribenha empobrecida, disseram agentes humanitários, pedindo melhores preparativos contra desastres.

O Haiti não foi atingido diretamente pelo Irma, um dos furacões mais potentes já registrados no Atlântico, mas o fenômeno desencadeou chuvas que devastaram campos de arroz e plantações de banana em áreas litorâneas.

Cerca de 18 mil famílias pobres do norte, a região mais atingida, perderam seus plantios de alimentos, de acordo com avaliações de danos preliminares do Ministério da Agricultura haitiano.

"Seu sustento foi, e será, afetado gravemente", disse Ronald Tran Ba Huy, diretor nacional do Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas, à Thomson Reuters Foundation.

O Haiti, uma das nações mais pobres do mundo, tem dificuldade para alimentar sua população de 10 milhões de pessoas, muitas das quais praticam a agricultura de subsistência.

O Irma, que enfraqueceu e se tornou uma tempestade tropical, matou mais de 60 pessoas em sua passagem pelo Caribe e pelo sudeste dos Estados Unidos.

(Por Anastasia Moloney)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters