Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Papa Francisco durante encontro com líder de Mianmar, Aung San Suu Kyi, no Vaticano. 04/05/2017 REUTERS/Tony Gentile

(reuters_tickers)

Por Philip Pullella

VATICANO (Reuters) - O Vaticano e Mianmar estabeleceram relações diplomáticas completas nesta quinta-feira, minutos após o papa Francisco receber a líder do país, Aung San Suu Kyi.

A medida inesperada significa que o Vaticano terá mais influência diplomática em Mianmar, que enfrenta investigação internacional por atrocidades cometidas contra a minoria muçulmana Rohingya.

Existem aproximadamente 700 mil católicos em Mianmar, de acordo com o cardeal do país, Charles Maung Bo, em uma população total de 51,4 milhões, de maioria budista.

Anteriormente, o Vaticano era representado em Mianmar por um delegado apostólico da igreja local que estava sediado na Tailândia. A reaproximação significa que tanto o Vaticano como Mianmar vão nomear embaixadores de pleno direito.

O anúncio veio logo após o encontro do papa Francisco com Suu Kyi, a atual líder do governo civil de Mianmar e também a ministra de Relações Exteriores do país.

Suu Kyi assumiu o poder em 2016 por uma vitória esmagadora depois que os ex-líderes militares de Mianmar iniciaram uma transição política.

Em fevereiro, Francisco criticou severamente o tratamento do povo Rohingya, afirmando que eles foram torturados e assassinados simplesmente porque queriam viver a cultura e fé muçulmana.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters