Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente turco, Tayyip Erdogan, durante coletiva de imprensa em Varsóvia, na Polônia 17/10/2017 REUTERS/Kacper Pempel

(reuters_tickers)

ISTAMBUL (Reuters) - O presidente da Turquia, Tayyip Erdogan, apresentou nesta terça-feira uma queixa criminal contra um proeminente parlamentar de oposição, afirmou um de seus advogados, depois que o político chamou o líder turco de "ditador fascista".

Com duras críticas contra Erdogan, o porta-voz da principal legenda de oposição, o Partido Republicano do Povo (CHP), Bulent Tezcan, atacou o que disse ser uma "atmosfera de medo" na Turquia.

O advogado de Erdogan, Huseyin Aydin, disse no Twitter: "Nós registramos uma ação legal relativa a Bulent Tezcan com a Promotoria de Ancara pelo crime de insultar o presidente". Aydin também publicou fotos da petição.

"As declarações do suspeito fazem parte de uma nova campanha contra nosso presidente e não podem ser interpretadas como um incidente isolado", afirmou a petição, acrescentando que uma campanha do tipo também havia sido iniciada antes da tentativa de golpe do ano passado.

Durante discurso na segunda-feira, na cidade de Tekirdag, criticando autoridades judiciais locais, Tezcan disse: "Se você tenta amedrontar pessoas e criar uma atmosfera de medo mostrando palavras legais como ilegais, nós não seremos dissuadidos".

Seus comentários pareceram defender um prefeito local, membro do CHP, que foi interrogado por autoridades esse mês após supostamente chamar Erdogan de "ditador" em um congresso do partido.

"Eu não sei se nosso prefeito disse isso ou não. Eu, aqui em Tekirdag, digo agora: 'Erdogan é um ditador fascista'", disse Tezcan.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters