Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Marcha do Orgulho Gay em Liubliana, Eslovênia. REUTERS/Srdjan Zivulovic

(reuters_tickers)

LIUBLIANA (Reuters) - A Eslovênia legalizou o casamento entre pessoas do mesmo sexo no país nesta sexta-feira, conforme uma lei que dá aos casais gays praticamente os mesmos direitos dos heterossexuais, mas os impediu de adotar filhos juntos.

A diretora da entidade encarregada dos casamentos em Maribor, segunda maior cidade eslovena, Ksenija Klampfer, disse à Reuters que o primeiro matrimônio de um casal de lésbicas irá acontecer no sábado.

"Estamos muito felizes e orgulhosos por realizar o primeiro casamento de pessoas do mesmo sexo. Acreditamos que tais casamentos são um passo importante rumo à formação de uma sociedade inclusiva na qual as pessoas têm direitos iguais", disse Klampfer.

Vários outros países da União Europeia legalizaram o casamento entre pessoas do mesmo sexo, entre eles Reino Unido, França e Espanha, mas o tema continua polêmico em muitas outras nações do bloco.

A lei foi aprovada dez meses atrás, na esteira de um referendo de dezembro de 2015 que rejeitou uma proposta que também daria aos casais gays o direito à adoção.

"Este é um grande passo adiante", disse Lana Gobec, porta-voz do grupo de ativismo LGBT Legebitra. "Mas continuaremos a lutar pela igualdade completa de heterossexuais e de pessoas do mesmo sexo", disse.

Autoridades de Liubliana disseram que nenhum casal gay se registrou para se casar na capital até agora.

Ativistas gays dizem que ainda é preciso fazer mais na Eslovênia. Além de não poderem adotar filhos, eles tampouco têm acesso à inseminação artificial.

(Por Marja Novak)

Reuters