Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

MADRI (Reuters) - A crescente crise política NA Espanha sobre a campanha de independência da Catalunha se intensificou no sábado com uma nova disputa sobre o controle da força policial local, à medida que o governo regional prossegue com os planos para realizar uma votação ilegal no próximo fim de semana.

    O promotor público na Catalunha disse que todas as forças policiais locais e nacionais no sábado foram colocadas temporariamente sob uma única cadeia de comando que reporta diretamente ao Ministério do Interior em Madri.

    Mas o chefe do Interior da Catalunha, Joaquim Forn, disse que seu departamento e a polícia local, ou Mossos d'Esquadra, não aceitaram essa decisão.

    "Denunciamos a intervenção do Estado para controlar as forças policiais da Catalunha... não aceitamos esse controle", afirmou Forn em um discurso televisionado.

    Não ficou claro se a administração regional e os Mossos poderiam realmente se opor à decisão, uma vez que as leis espanholas permitem a possibilidade de a polícia nacional assumir a liderança sobre a polícia de uma comunidade autônoma durante uma operação conjunta.

    O representante do governo central na Catalunha, Enric Millo, havia dito anteriormente que os Mossos permaneciam encarregados da segurança na Catalunha, embora fossem "coordenados" diretamente pelo Ministério do Interior e não pelas autoridades locais, juntamente com duas forças policiais nacionais também na Catalunha.

    "Não estamos assumindo as competências policiais do governo regional", disse Millo a jornalistas após um evento realizado pelo Partido Popular (PP) em Palma de Mallorca, no leste da Espanha.

    Millo também pediu aos líderes catalães, incluindo Forn, que parem de incentivar protestos e manifestações de rua.

    O jornal catalão La Vanguardia disse que a ordem do promotor permaneceria em vigor até pelo menos 1º de outubro, quando o referendo for realizado.

    Os Mossos são um dos símbolos da autonomia da Catalunha e, para muitos catalães, a decisão do promotor pode relembrar a Guerra Civil espanhola de 1936-1939 e posterior ditadura de Francisco Franco, quando os Mossos foram abolidos.

    Vários grupos pró-independência convocaram protestos para domingo no centro de Barcelona.

    "Vamos responder ao Estado com uma onda imparável de democracia", dizia uma mensagem de Whatsapp, usada para organizar a demonstração.

    O governo catalão abriu um novo site no sábado com detalhes de como e onde votar em 1º de outubro, desafiando várias decisões judiciais que bloquearam sites anteriores e declararam o referendo inconstitucional.

    O primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, insistiu novamente que a votação não deveria ser realizada.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters