Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Rajoy e Julio Borges se reúnem em Madri 5/9/2017 REUTERS/Susana Vera

(reuters_tickers)

MADRI (Reuters) - A Espanha está pressionando a União Europeia a adotar medidas restritivas contra membros do governo da Venezuela como maneira de incentivar a volta da ordem constitucional no país em crise, disse o Ministério das Relações Exteriores espanhol nesta terça-feira.

Julio Borges, líder do Congresso venezuelano dominado pelos opositores, visitou a Espanha nesta terça-feira para se encontrar com o primeiro-ministro espanhol, Mariano Rajoy, parte de uma turnê europeia em busca de apoio contra o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

O governo de Maduro vem sendo criticado pela Organização das Nações Unidas (ONU), por Washington e outros governos por ignorar o Congresso, prender centenas de opositores e não permitir a entrada de ajuda humanitária para amenizar uma crise econômica grave.

"Contra o agravamento progressivo da situação da Venezuela, o governo espanhol está exortando... a adoção de medidas restritivas, individuais e seletivas que não prejudiquem a população venezuelana", disse a chancelaria em um comunicado.

Madri está trabalhando com seus parceiros na UE nestas medidas e mantendo contato constante com outros países latino-americanos, acrescentou.

Um porta-voz do ministério não disse quais serão as medidas.

O ministro das Relações Exteriores venezuelano, Jorge Arreaza, criticou o encontro de líderes opositores com Rajoy, dizendo que não são patriotas por apoiarem sanções que, segundo ele, prejudicarão a economia de sua nação.

"@marianorajoy agride a dignidade venezuelana, representando o pior passado colonial, derrotado e expulso por nossos libertadores", tuitou Arreaza nesta terça-feira.

(Por Angus Berwick)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters