Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

MADRI (Reuters) - O governo da Espanha e vários partidos políticos do país rejeitaram neste domingo a proposta de diálogo da esquerda basca entre o governo e o grupo separatista ETA.
Segundo a proposta, as conversas teriam como base os princípios do processo de paz na Irlanda do Norte.
"A única forma de acabar com o conflito é com o ETA abandonando as armas", disse o ministro espanhol do Interior, Alfredo Pérez Rubalcaba, depois de classificar como "mais do mesmo" do grupo intitulado Batasuna, o qual propõe as negociações.
Os jornais locais também não deram muita atenção à iniciativa do ilegal Batasuna --considerado o braço político do ETA-- anunciada no sábado, e lhe atribuíram a fragilidade do movimento nacionalista basco.
O El País, por exemplo, disse que a proposta demonstrava que a política do governo está em um bom caminho, acrescentando que "ao menos um setor do Batasuna sabe que não haverá negociação política, e que muito menos haverá legalização sem abandono prévio, incondicional e unilateral das armas".
O Batasuna fez no sábado um pedido de "um processo (não violento) de negociação entre o ETA e o Estado espanhol que fale sobre a desmilitarização do país e da libertação de todos os prisioneiros políticos".
Em seu comunicado, no entanto, o Batasuna não condenou a violência do ETA, principal obstáculo para qualquer nova iniciativa de paz com o governo espanhol e os partidos de oposição.
Esse é o principal motivo pelo qual o Batasuna, que busca a independência do País Basco, está fora da lei.
O último processo de paz basco começou em março de 2006, mas terminou repentinamente depois que uma bomba detonada no aeroporto de Madri matou duas pessoas.
(Reportagem de Elisabeth OLeary)

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

Reuters