Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Primeiro-ministro da Malásia, Najib Razak, e sua esposa, Rosmah Mansor, em Bali. 17/11/2011 REUTERS/Stephen Morrison

(reuters_tickers)

Por A. Ananthalakshmi

KUALA LUMPUR (Reuters) - Quase 30 milhões de dólares em recursos desviados do 1Malaysia Development Berhad (1MDB), fundo estatal da Malásia envolvido em escândalos, foram usados para comprar joias para a esposa do primeiro-ministro, incluindo um diamante rosa de 22 quilates raro preso a um colar, de acordo com acusação do Departamento de Justiça dos Estados Unidos em uma ação civil.

As denúncias apresentadas à Corte Distrital de Los Angeles na quinta-feira não identificaram o premiê malaio, Najib Razak, ou sua esposa, Rosmah Mansor, pelo nome, mas disseram que as joias foram para a esposa da "Autoridade 1 da Malásia".

Fontes dos governos malaio e norte-americano já haviam confirmado que 'Autoridade 1 da Malásia' diz respeito a Najib.

Só o colar de diamante custou 27,3 milhões de dólares, de acordo com as alegações mais recentes da ação civil iniciada em julho do ano passado.

As acusações irão dar mais munição para os rivais políticos de Najib, que criticam sua esposa com frequência por seus gastos extravagantes, e vêm em um momento delicado para o líder malaio, já que se esperava que ele convocasse uma eleição antecipada no final deste ano.

Um assessor de Rosmah não respondeu de imediato a pedidos de comentário. Em um comunicado emitido no início desta sexta-feira, o escritório do primeiro-ministro disse estar "preocupado pela menção desnecessária e gratuita de certas questões e indivíduos que só são relevantes para a manipulação e a interferência política doméstica". Najib vem negando continuamente qualquer irregularidade.

Um total de 4,5 bilhões de dólares do 1MDB foram usados indevidamente, disse o Departamento de Justiça dos EUA na quinta-feira. O fundo foi criado por Najib em 2009 para incentivar o desenvolvimento econômico.

O Departamento está tentando apreender um total de cerca de 1,7 bilhão de dólares em ativos que foram comprados com fundos indevidos, incluindo uma pintura de Picasso que foi dada ao ator Leonardo DiCaprio e os direitos de dois filmes de Hollywood.

Também na quinta-feira um porta-voz de DiCaprio disse que o ator iniciou os procedimentos para transferir a propriedade da obra ao governo dos EUA, tendo "iniciado a devolução" de presentes que recebeu de financistas ligados ao caso 1MDB em julho de 2016.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters