Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Candidato presidencial do Partido Socalista da França, Benoit Hamon, durante evento em Paris. 29/01/2017 REUTERS/Christian Hartmann

(reuters_tickers)

PARIS (Reuters) - Membros do Partido Socialista da França escolheram no domingo Benoit Hamon como candidato à Presidência, em um ato pouco provável de ajudá-los a vencer a eleição, mas que pode impulsionar a campanha do popular candidato independente centrista Emmanuel Macron.

Com 60 por cento dos votos contados no segundo turno da primária do Partido Socialista, o ex-ministro da Educação tinha 58,65 por cento dos votos contra o rival Manuel Valls, ex-primeiro-ministro que adota políticas pró-empresas.

Os socialistas, enfraquecidos e divididos após um governo impopular de François Hollande, têm poucas chances de passar do primeiro turno da eleição presidencial, em abril.

Ao escolher o tradicional esquerdista Hamon, de 49 anos, a esquerda oferece a Macron um grande grupo de eleitores e uma maior chance de vencer os rivais da direita e extrema-direita.

Caso Hamon fracasse em ter um impacto na campanha, onde segue atrás de quatro candidatos nas pesquisas de opinião, o partido pode ser levado à rupturas nos próximos cinco anos ou até ser levado ao seu fim, segundo analistas.

O conservador François Fillon, candidato dos republicanos, e a líder da extrema-direita, Marine Le Pen, ainda são vistos nas pesquisas de opinião como possíveis rivais em uma disputa do segundo turno em maio.

(Reportagem de Michel Rose)

Reuters