Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Minarete da Grande Mesquita de Mosul é vista de janela 1/6/2017 REUTERS/Alaa Al-Marjani

(reuters_tickers)

Por Marius Bosch e Maher Chmaytelli

MOSUL/ERBIL, Iraque (Reuters) - Militantes do Estado Islâmico explodiram nesta quarta-feira a Grande Mesquita de al-Nuri, em Mosul, e seu famoso minarete inclinado, segundo comunicado militar iraquiano, num momento em que forças do Iraque buscam expulsar o grupo da cidade.

Foi nesta mesquita medieval que o líder dos militantes Abu Bakr al-Baghdadi declarou um autodenominado “califado” abrangendo partes da Síria e Iraque há três anos.

A agência de notícias do Estado Islâmico, Amaq, acusou aeronave norte-americana de destruir a mesquita.

“As gangues de terror do Estado Islâmico cometeram outro crime histórico ao explodirem a mesquita de al-Nuri e seu histórico minarete al-Hadba”, informou o comunicado militar iraquiano.

As explosões aconteceram à medida que unidades de elite do Serviço Antiterrorismo do Iraque, que têm lutado para atravessar a Cidade Antiga de Mosul, chegaram a cerca de 50 metros da mesquita, segundo o comunicado.

Forças iraquianas informaram nesta quarta-feira que haviam iniciado uma ida em direção à mesquita. Uma coalizão liderada pelos Estados Unidos está fornecendo apoio aéreo e em solo à ofensiva em Mosul, que teve início em outubro de 2016.

A batalha pela Cidade Velha está se tornando a mais mortífera da arremetida de oito meses para a conquista de Mosul, a capital de fato do Estado Islâmico no Iraque.

Mais de 100 mil civis, metade deles crianças, estão retidos em suas casas antigas e frágeis com pouco alimento, água e remédios, sem eletricidade e com acesso limitado a clínicas.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters