Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Apoiadores do movimento Houthi fazem passeata em Sanaa, no Iêmen 08/06/2018 REUTERS/Mohamed al-Sayaghi

(reuters_tickers)

Por Mohammed Ghobari e Mohamed Mokhashef

ÁDEN (Reuters) - Uma aliança de Estados árabes liderada pela Arábia Saudita realizou um ataque na principal cidade portuária do Iêmen nesta quarta-feira, na maior batalha da guerra, buscando deixar o movimento governista houthi de joelhos mas correndo o risco de piorar a maior crise humanitária do mundo.

Aviões e navios de guerra árabes atacaram fortificações houthis para apoiar operações em solo de tropas estrangeiras. Tropas iemenitas se concentraram no sul do porto de Hodeidah na operação “Vitória Dourada”.

    O confronto aconteceu perto do aeroporto de Hodeidah e de al-Durayhmi, uma área rural a 10 quilômetros ao sul da cidade, relataram a mídia controlada pelos Estados árabes e seus aliados iemenitas.

    A operação marca a primeira vez que Estados árabes tentaram capturar uma cidade grande tão fortemente defendida desde que se juntaram há três anos à guerra contra os houthis, que são alinhados com o Irã e controlam a capital Sanaa e a maioria das áreas povoadas.

    A Organização das Nações Unidas diz que 8,4 milhões de iemenitas estão à beira da fome e que para a maior parte deles o porto é a única rota para suprimentos de comida.

    O Conselho de Segurança da ONU deve se encontrar a portas fechadas na quinta-feira – a pedido do Reino Unido – por conta do ataque em Hodeidah, disseram diplomatas.

    Os houthis enviaram veículos militares e soldados no centro da cidade e próximo ao porto, conforme aviões de guerra atingiram a costa, disse à Reuters um morador que falou em condição de anonimato. As pessoas fugiram por rotas para o norte e oeste.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.










Reuters