Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Police officers push away activists who tried to block a street during the G20 summit in Hamburg, Germany, July 7, 2017. REUTERS/Hannibal Hanschke

(reuters_tickers)

HAMBURGO (Reuters) - Manifestantes feriram 160 policiais durante confrontos e incendiaram carros, barricadas e latas de lixo nesta sexta-feira enquanto líderes das maiores economias do mundo se reuniam em Hamburgo em uma cúpula do G20.

Forças policiais de toda a Alemanha enviaram reforços para ajudar os 15 mil policiais já presentes na cidade portuária do norte do país para a reunião devido à escalada da violência. Ao menos 15 pessoas foram presas e dezenas mais foram detidas para ser interrogadas.

O ministro das Finanças alemão, Wolfgang Schaeuble, cancelou um compromisso no centro de Hamburgo na manhã desta sexta-feira devido a preocupações com a segurança, e policiais não liberaram a saída de um comboio da primeira-dama dos Estados Unidos, Melania Trump, do hotel em que se hospeda para fazer um passeio pelo porto histórico da cidade, informou sua porta-voz.

"Ela já perdeu uma boa parte do passeio. É uma pena, ela realmente estava ansiosa para fazê-lo", disse Stephanie Grisham.

O secretário do Interior de Hamburgo, Andy Grote, disse que 160 policiais ficaram feridos no que chamou de violência "assustadora". Três agentes precisaram ser tratados em hospitais, disseram policiais, comentando que os manifestantes também usaram estilingues e atiraram garrafas e pedras.

O chefe de polícia da cidade, Ralf Martin Meyer, disse a repórteres que a segurança rígida ao redor da área de conferência levou os manifestantes a se espalharem por Hamburgo, obrigando os policiais a solicitarem entre 900 e mil agentes adicionais como reforços de toda a Alemanha.

"Estamos nos concentrando em criar corredores para que o caminho para os comboios (dos líderes) fique livre", explicou Meyer.

"Temos que esperar qualquer coisa, e estamos esperando qualquer coisa", disse Grote.

A polícia disse que a violência que irrompeu durante as manifestações de quinta-feira continuavam nesta sexta-feira, dia em que manifestantes de extrema-esquerda cortaram os pneus de um carro da delegação canadense do G20 e destruíram vidraças do consulado da Mongólia.

Um porta-voz da polícia disse que só um número pequeno de manifestantes de extrema-esquerda ou de anarquistas se envolveu em distúrbios, e que a maioria dos estimados 100 mil manifestantes na cidade continua pacífica. Cerca de 12 mil deles participaram da marcha principal.

Também nesta sexta-feira, grupos menores de manifestantes atacaram viaturas policiais ocupadas e vazias, uma das quais foi atingida por um coquetel molotov, disseram membros da corporação.

Um dos muitos helicópteros da polícia patrulhando os céus quase foi alvejado por um sinalizador, disseram policiais em um comunicado. Na quinta-feira os pilotos de outro helicóptero sofreram ferimentos nos olhos por causa de um facho de laser voltado em sua direção.

Os policiais disseram que continuam a dispersar bloqueios de rua por toda Hamburgo.

(Por Joseph Nasr, Andrea Shalal, Thomas Escritt e Klaus Lauer)

Reuters