Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Karin Strohecker e Ahmed Aboulenein

LONDRES/CAIRO (Reuters) - O ministro de Relações Exteriores do Catar, xeique Mohammed bin Abdulrahman al-Thani, acusou quatro vizinhos árabes de "clara agressão" contra seu país, enquanto representantes de Arábia Saudita, Bahrein, Emirados Árabes Unidos e Egito se reuniam no Cairo para considerar medidas adicionais contra Doha, que acusam de promover o terrorismo na região.

O xeique disse que as acusações dos quatro países árabes para cortar ligações diplomáticas e de transporte com o Catar há um mês "foram claramente projetadas para criar um sentimento anti-Catar".

"O Catar continua a pedir diálogo, apesar da violação de leis internacionais e regulamentações, apesar da separação de 12 mil famílias, apesar do cerco que é uma clara agressão e um insulto para todos os tratados, órgãos e jurisdições internacionais", disse o chanceler no centro de estudos Chatham House, em Londres.

A disputa entre o Catar e seus vizinhos do Golfo Pérsico despertou intensa preocupação entre aliados ocidentais que veem as dinastias governistas da região como parceiros-chave em questões de energia e defesa.

O Catar investiu pesado em projetos de infraestrutura em Estados do Ocidente e mantêm colaboração diplomática próxima com os EUA em relação ao conflito na Síria.

(Reportagem adicional de Karin Strohecker e Sami Aboudi)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters