Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. discursa durante formatura de alunos da Academia da Guarda Costeira em Nova Londres, Connecticut 17/05/2017 REUTERS/Kevin Lamarque

(reuters_tickers)

Por Arshad Mohammed e Yeganeh Torbati

WASHINGTON (Reuters) - O governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que criticou duramente o acordo nuclear do Irã quando era candidato, vai estender nesta quarta-feira o alívio de sanções para o país, que é parte do pacto de 2015, disseram duas autoridades norte-americanas à Reuters.

As autoridades, que falaram sob condição de anonimato, disseram que o governo vai anunciar formalmente que está renovando a isenção de sanções que foram dadas ao Irã como parte do acordo, pelo qual Teerã concordou em limitar seu programa nuclear.

Um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA não quis comentar sobre o assunto.

O governo do ex-presidente norte-americano Barack Obama renovou uma série de isenções para sanções dos EUA ao Irã em meados de janeiro de 2017, logo antes de deixar o cargo. Algumas dessas isenções teriam terminado nessa semana se Trump não tivesse decidido renová-las novamente.

A decisão de renovar as isenções representa uma importante escolha política inicial sobre o acordo nuclear para o governo de Trump e indica que, apesar de algumas promessas durante a campanha presidencial de 2016 de "desmontar o acordo desastroso com o Irã", Trump decidiu, pelo menos por enquanto, mantê-lo.

As isenções vêm antes da eleição presidencial do Irã na sexta-feira, na qual o presidente Hassan Rouhani, um clérigo pragmático cujo governo negociou o acordo nuclear, está enfrentando um opositor conservador e tentando convencer os eleitores de que pode cumprir as promessas de crescimento econômico.

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters