Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Por Julie Steenhuysen

CHICAGO (Reuters) - Cerca de dois terços dos cânceres são causados por erros genéticos aleatórios que ocorrem quando células normais fazem cópias de si mesmas, uma descoberta que ajuda a explicar por que indivíduos saudáveis que fazem tudo que podem para evitar o câncer ainda são vitimados pela doença, disseram pesquisadores dos Estados Unidos nesta quinta-feira.

"Estes cânceres irão acontecer, não importa o quão perfeito é o ambiente", disse o doutor Bert Vogelstein, geneticista do câncer da Universidade Johns Hopkins, em Baltimore, cujo estudo foi publicado no periódico científico Science.

    As novas descobertas se baseiam no sequenciamento genético e nos estudos de câncer de 69 países de todo o mundo, e vêm na esteira de uma pesquisa polêmica de 2015, divulgada pelos mesmos pesquisadores da Johns Hopkins na mesma publicação, que só analisou casos de câncer nos EUA.

    O estudo anterior de Vogelstein e do matemático Cristian Tomasetti afirmou que erros aleatórios no DNA representam uma parcela muito maior do risco de se desenvolver câncer do que se acreditava.

A descoberta foi repudiada por especialistas da doença, que tradicionalmente argumentam que a maioria dos cânceres são causados por estilos de vida e fatores ambientais evitáveis ou por defeitos genéticos hereditários.

    Embora a maioria das pessoas conheça as causas hereditárias e ambientais do câncer, como o fumo, poucas estão cientes do risco de falhas aleatórias que ocorrem cada vez que uma célula normal se divide e copia seu DNA em duas novas células, explicou Tomasetti.

    Tais falhas são "uma fonte potente de mutações cancerígenas que historicamente vêm sendo subestimadas cientificamente", disse ele em um comunicado.                 

    O novo trabalho oferece a primeira estimativa de qual proporção de cânceres é provocada por estes erros aleatórios.

Para chegar a esse resultado, a equipe desenvolveu um modelo matemático usando dados de sequenciamento de DNA do Atlas do Genoma do Câncer e informações da doença da base de dados da Pesquisa de Câncer do Reino Unido e analisando especificamente mutações que induzem o crescimento anômalo de células de 32 tipos diferentes de câncer.

    Embora tenha havido variações em cânceres específicos, no geral os pesquisadores estimaram que 66 por cento das mutações nestes cânceres resultaram de erros de cópia, 29 por cento foram fruto de estilos de vida e fatores ambientais evitáveis e os 5 por cento restantes foram herdados.

Embora a maioria dessas mutações não possa ser evitada, a equipe enfatizou que a detecção precoce e tratamento pode prevenir muitas mortes por câncer, independentemente da causa.

Reuters