Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Pessoas examinam escombros após ataques aéreos no Iêmen 16/02/2017 REUTERS/Mohamed al-Sayaghi

(reuters_tickers)

Por Mohammed Mukhashaf e Phil Stewart

ÁDEN, Iêmen/WASHINGTON (Reuters) - Os Estados Unidos realizaram mais uma onda de ataques contra a Al Qaeda no Iêmen, disseram moradores e autoridades dos EUA nesta sexta-feira, no mais recente sinal do crescente foco militar norte-americano contra um grupo cuja força cresceu durante a guerra civil no Iêmen.

Um dia depois de as forças dos EUA terem iniciado uma campanha de ataques aéreos no Iêmen, estimada em cerca de 20, o Pentágono confirmou vários ataques nas províncias de Shabwah, Abyan e Al Bayda nesta sexta-feira. Isso elevaria o total para mais de 30 ataques em dois dias.

O porta-voz do Pentágono, capitão Jeff Davis, não descartou novos ataques.

"Não quero telegrafar operações futuras, mas isso é parte de um plano para ir atrás desta ameaça muito real e garantir que eles sejam derrotados, além de evitar a oportunidade de planejamento de ataques terroristas de regiões sem governo no Iêmen", disse Davis em um briefing no Pentágono.

Moradores relataram um ataque dos EUA na vila de Wadi Yashbum, na província de Shabwah, e disseram que alguns dos ataques atingiram casas de civis, ferindo um número desconhecido de pessoas.

Cerca de três horas depois, residentes da área de Jabal Mugan, na província vizinha de Abyan, também relataram ataques aéreos.

Moradores também citaram batalhas terrestres envolvendo soldados norte-americanos e militantes da Al Qaeda, mas o Pentágono negou formalmente qualquer incursão dos Estados Unidos ou combates em terra.

Reuters