Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Pessoas desalojadas da minoria yazidi, que fugiram da violência na cidade iraquiana de Sinjar, pedem ajuda durante manifestação na área fronteitiça de Fishkhabour, entre Síria e Iraque, nesta quarta-feira. No cartaz, dizem "nos salvem no Estado Islâmico". 13/08/2014 REUTERS/Youssef Boudlal

(reuters_tickers)

WASHINGTON (Reuters) - É improvável que ocorra uma operação norte-americana para retirar a minoria yazidi isolada na região do Monte Sinjar, no Iraque, após ter fugido dos combatentes do Estado Islâmico, avaliou uma equipe dos Estados Unidos, de acordo com o Pentágono.

"A equipe avaliou que há muito menos yazidis no Monte Sinjar do que se pensava", disse o Pentágono em um comunicado nesta quarta-feira. "Os yazidis que permanecem estão em melhores condições do que se acreditava anteriormente e continuam a ter acesso à comida e à água que lançamos por avião."

"Com base nesta avaliação, foi determinado que uma missão de retirada é muito menos provável", disse o comunicado, acrescentando que os EUA continuarão a prestar assistência humanitária conforme necessário.

Combatentes curdos têm protegido cidades habitadas pela minoria yazidi à medida que comboios armados do Estado Islâmico avançavam e já ajudaram milhares de pessoas deste grupo a escapar para áreas mais seguras no norte.

(Reportagem de David Alexander e Sandra Maler)

Reuters