Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Policiais da Coreia do Sul participam de simulação antiterrorismo como parte do exercício Guardião da Liberdade Ulchi, em Goyang 21/08/2017 REUTERS/Kim Hong-Ji

(reuters_tickers)

Por Christine Kim

SEUL (Reuters) - Forças da Coreia do Sul e dos Estados Unidos iniciaram exercícios militares simulados por computadores nesta segunda-feira em meio à tensão resultante dos programas de armas da Coreia do Norte, e um levantamento segundo o qual o regime lucrou milhões de dólares com exportações deve despertar questionamentos a respeito do impacto das sanções.

O presidente sul-coreano, Moon Jae-in, disse que os exercícios conjuntos, chamados Guardião da Liberdade Ulchi, são puramente defensivos e não almejam elevar a tensão na península.

"Não existe intenção alguma de intensificar a tensão militar na península coreana, já que estes exercícios são realizados anualmente e são de natureza defensiva", disse Moon aos ministros de seu gabinete.

"A Coreia do Norte não deveria exagerar nossos esforços para manter a paz, nem deveria fazer provocações que agravariam a situação, usando (os exercícios) como desculpa", disse.

As manobras conjuntas EUA-Coreia do Sul vão até 31 de agosto e envolvem simulações de computador projetadas para preparar os dois países para uma guerra com uma Coreia do Norte, que é dotada de poderio nuclear.

Os EUA também as descrevem como "de natureza defensiva", um termo que a mídia estatal norte-coreana rejeitou por vê-lo como uma "máscara enganadora".

"É para nos preparar se algo grande ocorrer e precisarmos proteger a RDC", disse Michelle Thomas, porta-voz dos militares norte-americanos, referindo-se à Coreia do Sul pelo seu nome oficial, República da Coreia.

Pyongyang vê tais exercícios como preparativos para uma invasão, e disparou mísseis e adotou outras ações para mostrar sua irritação com exercícios militares no passado.

As duas Coreias ainda estão tecnicamente em guerra, já que o conflito de 1950-53 terminou com uma trégua, não um tratado de paz.

O progresso norte-coreano rápido no desenvolvimento de armas nucleares e mísseis capazes de atingir o território continental dos EUA alimentou uma tensão regional, e sanções lideradas pela Organização das Nações Unidas (ONU) parecem não ter sido capazes de abalar o regime o suficiente para alterar seu comportamento.

A China, maior aliada e parceira comercial de Pyongyang, exortou Washington e Seul a descartarem os exercícios, e a Rússia também pediu que as manobras não aconteçam, mas os EUA não recuaram.

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores chinês, Hua Chunying, disse que as duas Coreias e os EUA precisam se esforçar para amenizar a tensão.

(Reportagem adicional de Ben Blanchard, em Pequim)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters