Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

WASHINGTON (Reuters) - Os Estados Unidos aplicaram punições contra nove empresas e instituições públicas, incluindo duas empresas russas, e três indivíduos por seu apoio ao programa de armas da Coreia do Norte, informou o Departamento do Tesouro em comunicado.

Os Estados Unidos têm se esforçado para tentar diminuir o ritmo dos programas nuclear e de mísseis norte-coreanos, e têm recorrido a sanções unilaterais e internacionais como uma de suas principais táticas para cortar os fundos e os fornecimentos para o governo e as Forças Armadas da Coreia do Norte.

As medidas desta quinta-feira congelam quaisquer fundos que os indivíduos e companhias afetados possam ter nos Estados Unidos, e impedem norte-americanos de fazerem negócios com eles.

Os EUA impuseram sanções contra a Ardis-Bearings, que seria sediada em Moscou, e seu diretor, Igor Aleksandrovich Michurin, por agirem como fornecedores para uma empresa de comércio norte-coreana envolvida nos programas de mísseis e armas de destruição em massa da Coreia do Norte, informou o Tesouro dos EUA.

Outra firma russa, a Independent Petroleum, e uma subsidiária foram incluídas na lista negra por assinarem um contrato para fornecer petróleo para a Coreia do Norte e enviarem 1 milhão de dólares em produtos petrolíferos para a Coreia do Norte, disse o Tesouro.

Segundo a agência de notícias russa RIA, o vice-ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Ryabkov, afirmou que Moscou ficou alarmado com a decisão dos EUA. Ele disse que a Rússia está preparando medidas de retaliação.

Em março de 2016, o então presidente dos Estados Unidos Barack Obama impôs uma série de sanções à Coreia do Norte por seu programa nuclear e de mísseis.

(Reportagem de Yeganeh Torbati)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters