Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Líder do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, em mesquita de Mosul, em imagem publicada na internet 05/07/2014 REUTERS/Rede social via Reuters TV

(reuters_tickers)

WASHINGTON (Reuters) - O secretário de Defesa norte-americano, Jim Mattis, disse nesta sexta-feira que os Estados Unidos não podem provar se o líder máximo do Estado Islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, está morto.

No início dessa semana, o Observatório Sírio para Direitos Humanos disse ter "confirmado a informação" de que Baghdadi foi morto, mas autoridades do Ocidente e do Iraque se mostraram céticas.

"Se nós soubéssemos, nós diríamos. Agora, eu não posso confirmar ou negar", disse Mattis. "Nossa abordagem é que nós presumimos que ele está vivo até que seja provado o contrário, e agora, eu não posso provar o contrário."

Mattis acrescentou que um cessar-fogo no sudoeste da Síria está resistindo até agora.

Estados Unidos, Rússia e Jordânia anunciaram o cessar-fogo e um "acordo de desescalada" para o sudoeste do país após um encontro entre os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e da Rússia, Vladimir Putin, em uma cúpula do G20 em Hamburgo, na Alemanha.

(Reportagem de Idrees Ali)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters