Conteúdo externo

O seguinte conteúdo vem de parceiros externos. Nós não podemos garantir que esse conteúdo seja exibido sem barreiras.

Família síria com bagagem no aeroporto de Beirute, antes de viagem para os Estados Unidos 08/02/2017 REUTERS/Mohamed Azakir

(reuters_tickers)

WASHINGTON (Reuters) - O governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, planeja acolher no máximo 45 mil refugiados no próximo ano fiscal, que começa em 1º de outubro, disse um ex-funcionário do governo dos EUA na terça-feira, um teto que manterá os ingressos em seu nível mais baixo em mais de uma década.

A Casa Branca decidiu a cifra depois de um debate acalorado entre autoridades que queriam um teto mais baixo e outras que desejavam um mais elevado, afirmou o ex-funcionário, que falou sob condição de anonimato.

De um lado do debate ficaram autoridades que tendem a encarar o assunto pelo prisma da política doméstica, levando em conta o foco que Trump colocou na contenção da imigração durante a campanha presidencial de 2016.

Do outro estão especialistas em política externa que argumentam que receber refugiados nos EUA é vital para fazer com que outras nações mantenham suas fronteiras abertas.

O plano de limitar as entradas a 45 mil pessoas já havia sido noticiado pelo jornal Wall Street Journal.

O ex-funcionário, que era favorável a um número mais alto, contou que a decisão minará a capacidade norte-americana de persuadir países como Jordânia, Turquia e Líbano, que acolheram grandes levas de refugiados sírios, a continuar recebendo-os, e também de convencer nações doadoras a manter as contribuições financeiras para os refugiados.

"Não temos moral para desempenhar esse papel se cortarmos nossa própria assistência humanitária e se reduzirmos à metade nossa acolhida a refugiados", disse.

(Por Arshad Mohammed)

Neuer Inhalt

Horizontal Line


subscription form

formulário para solicitar a newsletter

Assine a newsletter da swissinfo.ch e receba diretamente os nossos melhores artigos.

swissinfo.ch

Banner da página Facebook da swissinfo.ch em português

Reuters